domingo, 5 de outubro de 2014

Top 10 vítimas dos Illuminati
Descobrir essas coisas pode ser altamente perigoso para a sua saúde. O Conhecimento proibido é doce, mas também é mortal. Muitos homens morreram por revelar segredos muito menores do que os que são encontrados aqui. Não estou sendo excessivamente dramático nem tentando ser sensacionalista.  Isto é um aviso: Assegure-se de que você possui a ousadia e a coragem para prosseguir antes de ir longe demais. Lembro-me dos nomes dos homens corajosos que vieram antes de você e eu, e que agora estão mortos porque eles expuseram o conhecimento proibido dos Iluminados :
1) Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes) 

Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes -(Fazenda do Pombal,Rio de Janeiro, 21 de abril de 1792) foi um dentista,tropeiro,minerador, comerciante, militar e ativista político que atuou no Brasil colonial (1530-1815), mais especificamente nascapitanias de Minas Gerais e Rio de Janeiro. No Brasil, é reconhecido como mártir da Inconfidência Mineira, patrono cívico do Brasil, patrono também das Polícias Militares dos Estados e herói nacional. BOM PELO MENOS É ISSO QUE NOS FOI ENSINADO DE MANEIRA MENTIROSA NA ESCOLA.
Mas origem da bandeira de Minas Gerais é mais uma prova, para os maçons, do envolvimento desta organização na Inconfidência. “Se ainda ao mais incrédulo dos incrédulos restasse um resquício de dúvida quanto à origem maçônica da Inconfidência Mineira, bastaria contemplar-lhe a bandeira”, afirma Tenório D’Albuquerque, em A bandeira maçônica dos inconfidentes.  Os iluministas usam uma frase de Tiradentes: “Se dez vidas eu tivesse, dez vidas eu daria pelo Brasil.” SERÁ? DUVIDO MUITO, creio que o tal Tiradentes foi maçom sim e não tenho qualquer consideração de heroísmo por este indivíduo. Mas segundo a reportagem, “TIRADENTES E A MAÇONARIA”, a cabeça dele foi roubada; no entanto, isto me faz lembrar que o autor britânico da DEVASSA DA DEVASSA, Kenneth Maxwell, relatou que ele havia fugido para a terra da revolução negra, isto é, a França. E dizem ter achado a assinatura dele lá. O que voces acham disso? Tiradentes: Essa é a história real e que quase ninguém conhece: 
http://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagens/em_busca_de_uma_tradicao_inventada_imprimir.html
2) William Morgan 

Tornou-se conhecido o fato de que um certo capitão William Morgan, de Batavia, em Nova York, planejava publicar um livro revelando os símbolos, aperto de mãos, juramentos e propósitos secretos da Maçonaria. Morgan, um membro da ordem havia trinta anos, escreveu: “A ruína de nossas instituições civis é encontrada na Maçonaria, já muito poderosa e a cada dia aumentando o seu poder. Eu devo ao meu país uma exposição do perigo que ela representa”.  Antes de o livro ser impresso, Morgan e seu editor foram sequestrados em Batavia. Amigos e vizinhos irados perseguiram os sequestradores e conseguiram salvar o editor, mas Morgan não teve a mesma sorte. Ele jamais foi visto de novo Anos depois, um maçom chamado Henry L. Valance confidenciou a seu médico na hora da morte que ele e outros dois maçons tinham jogado Morgan no rio Niagara. Valance disse que desde aquela noite ele tinha a consciência pesada pela culpa – “a marca de Caim” – e buscava perdão para o seu pecado.
Porém, na época do sequestro, ninguém parecia conseguir uma resposta direta referente ao destino de Morgan. Segundo o reverendo Charles G. Finney, escrevendo em 1869, as rodas da justiça foram desaceleradas pelos maçons nas cortes e nos orgãos de aplicação da lei; e entre as testemunhas e jurados. Os rumores de que Morgan fora sequestrado e assassinado pelos maçons se espalharam por Nova York, Nova Inglaterra e em outros Estados; e um escândalo de grandes proporções irrompeu.
 Devido ao ataque público contra o caráter secreto e exclusivo da Maçonaria, Finney alegou que cerca de 45 mil membros deixaram a Ordem e mais de duas mil Lojas foram fechadas. “Milhares de maçons queimaram seus aventais. Em poucos anos, o número de membros nas Lojas de Nova York caiu de 30 mil para 300, como resultado direto do incidente com Morgan”, escreveu o autor William J. Whaley.
 Em 1827, o livro de Morgan, Illustrations of Masonry  by one of the Fraternity Who Has Devoted Thirty  Years to the Subject, foi publicado postumamente. Pela primeira vez, não-maçons poderiam aprender como a Ordem operava de dentro.
 Os arrepiantes “juramentos de sangue” de punições por revelar os segredos da Maçonaria renovaram a crença de que Morgan fora assassinado por seus companheiros de Ordem. Morgan revelou que o iniciado na Ordem ou Primeiro Grau da Loja Azul jurava “me unir sob a penalidade de ter minha garganta cortada, minha língua arrancada e meu corpo enterrado nas areias do mar, onde a maré vaza e flui duas vezes em 24 horas…” As penalidades nos graus mais altos se tornavam mais assustadoras. Em 1829, sobre pressão pública, o Senado do Estado de Nova York investigou a Maçonaria e relatou que os ricos e poderosos maçons eram encontrados em todos os níveis do governo. (…)
 Os segredos da origem da Maçonaria foram fortemente mantidos, apesar da publicação de inúmeras obras a respeito do assunto. Walter Leslie Wilmshurst, maçom e autor de The Meaning of Masonry, escreveu: “A verdadeira história da Maçonaria nunca foi contada nem mesmo à Arte”. (…)
3) Roberto Calvi 

Roberto Calvi-Em 18 de junho de 1982, a ponte Blackfriars, em Londres, foi palco de um caso policial que pôs os maçons na linha de fogo. Uma horrível descoberta foi feita ao amanhecer: O corpo de um homem bem vestido foi encontrado enforcado sob a ponte. Tinha uma carteira com muito dinheiro, um passaporte falso, e os bolsos cheios de tijolos. O que, na época, aparentemente foram afirmações altamente paranóicas acabaram se revelando totalmente verdadeiras.” Essas afirmações eram de que Calvi havia sido assassinado, e alguns teóricos da conspiração associam sua morte aos maçons. Os restos do banqueiro foram exumados em 1998 para serem submetidos a uma nova perícia cujos resultados divulgados em 2002 demonstraram que Calvi foi estrangulado em um terreno baldio perto da ponte onde foi encontrado, e depois foi pendurado para simular um suicídio. Em Roma, em junho de 2007, cinco pessoas foram absolvidas do crime.
 Foram feitas afirmações de que fatores na morte de Calvi eram o Banco do Vaticano, principal acionista do Banco Ambrosiano, a Máfia italiana, que pode ter usado o Banco Ambrosiano para lavagem de dinheiro, e a Propaganda Due ou P2, uma loja maçônica clandestina .
4) José Daniel Casolaro 

José Daniel Casolaro -(16 de junho de 1947 – 10 de agosto de 1991) foi um escritor freelance americano que veio a público em 1991, quando ele foi encontrado morto em uma banheira no quarto 517 do Hotel Sheraton, em Martinsburg, West Virginia , quando foi ao encontro de um ”informante”. Seus pulsos foram cortados 10-12 vezes. Um bilhete foi encontrado, e o médico legista determinou a morte como suicídio.
5) Jim Keith

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre
Jim Keith (21 de setembro de 1949 – 7 de setembro, 1999). americanoautor mais conhecido pelos livros “helicópteros negros sobre a América” ​​e “O Polvo”, co-escritas com Kenn Thomas , que detalha as teorias da conspiração em torno da morte de repórter Danny Casolaro . O livro é baseado nas notas de Danny Casolaro, que supostamente se matou, embora Keith e Thomas examinaram o caso como um crime em seu livro.
Keith autor de livros populares sobre temas de conspiração, incluindo Mind Control / Controle Mundial , helicópteros negros I e II ,Bomba OK , Saucers of the Illuminati , Casebook na Alternativa 3 , Casebook sobre os homens de preto e muitos outros e seus pontos de vista são considerados assumidamente polêmicos .
Um dos temas subjacentes de obras de Keith é que o fenômeno UFO é, de fato, de origem inteiramente terrena e tem suas raízes em um programa paralelo de desenvolvimento tecnológico. Keith manteve um firme compromisso com a teoria de origem terrestre, e ele acreditava que havia um esforço concertado para levar adiante a hipótese extraterrestre na consciência pública. Também foi o autor de inúmeros romances eróticos, publicando vários em início dos anos noventa com Livros disfarce. Seus livros de não-ficção foram traduzidos em várias línguas.
Em agosto de 1999, Jim Keith caiu de um palco e quebrou o joelho no Burning Man festival de artes realizado no deserto de Black Rock , em Nevada, cerca de 120 quilômetros ao norte de sua cidade natal de Reno . Em 7 de setembro, ele entrou no hospital de Washoe, para realizar uma cirurgia no joelho e morreu na Unidade de Terapia Intensiva logo após a cirurgia ser concluída quando um coágulo de sangue entrou em seu pulmão. O relatório do legista listou como causa da morte por ” traumatismo “. Enigmaticamente, Keith declarou, antes de sua morte: “Eu tenho a sensação de que se me colocou hospitalizado eu não voltarei”. 
6) Paul Wilcher

Encontrado nu, com o corpo duro, sentado em um vaso sanitário em sua casa, apenas alguns dias depois de ter enviado seu manuscrito que expunha procurador-geral dos EUA, Janet Reno.
7) Wolfgang Amadeus Mozart

o compositor clássico mundialmente famoso , que pagou com a penalidade máxima, a Toffeta Aqua, que é envenenamento por arsênico, que destroçou seu corpo. Pobre Mozart. Ele também revelou alguns dos segredos da Maçonaria. Banido pela Ordem, seus amigos e familiares ficaram tão assustados que não apareceu uma viva alma em seu funeral. Fala-se que o seu cão fiel seguiu solitáorio atrás do funeral . O cachorro triste e desolado era o único ser vivo à vista com o corpo do homem que toda a Europa já havia aplaudido.
8)Michael Jackson

Conhecido como o rei do pop. Seu precoce e inesperado falecimento gerou muitas especulações. Em seus DVDs em série e canais do YouTube, o astro foi morto porque resolveu bater de frente com o sistema global dos “senhores do mundo”.
Michael Jackson, nos últimos dias da sua vida, andava triste com a gravadora sony, a qual pertence aos “senhores do mundo” Em razão da perseguição e da manipulação destes, o astro resolveu denunciar o complô da Nova Ordem Mundial e acabou sendo assassinado pelos Illuminati. 
Acompanhe este vídeo muito perturbador:
35º presidente dos Estados Unidos
9) John F. Kennedy

-o assassinato de Kennedy também tem marcas da Maçonaria :
“O presidente Kennedy estava planejando usar os poderes da presidência para informar o povo americano sobre o plano dos Illuminati para nos escravizar, e algumas semanas mais tarde ele foi assassinado. Entretanto, esse assassinato foi perpetrado de acordo com o número favorito dos Illuminati, o onze: 
Em novembro, o décimo primeiro mês; 
No dia 22 [11x2]; 
Em Dallas, que está situada no paralelo 33 [11x3]; 
Na Praça Dealey, o local em que havia uma antiga loja maçônica durante a época da Revolução para a libertação do Texas do domínio mexicano. Na praça Dealey há um obelisco em comemoração à “primeira loja fraternal no Texas”. [Masonry: Conspiracy Against Christianity, de Ralph Epperson, pág. 51].  Assim, Kennedy foi assassinado com a assinatura acompanhante dos Iluministas, da mesma forma como o número 11 formou a assinatura Iluminista no ataque ao World Trade Center e ao Pentágono, em 11/9/2001. 
10) Jarosław Kaczyński 

Primeiro ministro da Polónia
Jarosław Kaczyński- Evidência clara de um assassinato – Vestígios de EXPLOSIVOS são encontrados em destroços do avião presidencial da Polônia. 
Realmente o ex-presidente polonês Kaczynski foi vítima
de uma armação que ocasionou no seu assassinato. 
Lembrando que em 2009, Kaczynski foi o único presidente que não se sujeitou às políticas de vacinação em massa contra o H1N1, impostas pela OMS e os laboratórios farmacêuticos. Além disso, também neste mesmo tempo, enquanto diversos países europeus já amargavam com a crise econômica, o ex-presidente rejeitou a “ajuda” do FMI, contrariando a agenda globalista.
Então, eu te pergunto mais uma vez caro amigo do Apocalink: Você ainda tem coragem para descobrir os segredos onde muitos foram punidos por que souberam de segredos muito menos reveladores? Você tem certeza disso, estás muito certo que quer entrar na Zona Proibida?
Imersos no mal

Como você vê, estamos cercados pelo mal, literalmente imersos nele por todos os lados, mas os maus e os enganadores querem que acreditemos que maldade é algo excepcional. Desde a infância somos ensinados que o mal e a corrupção é um lugar para poucos, que a maioria das pessoas são virtuosas, honestas e boas, e que a maioria dos nossos políticos verdadeiramente tem os nossos interesses no coração, que o sistema social, com exceção de apenas alguns detalhes penais, é basicamente bom. Com essas garantias, a maioria das pessoas respira profundamente aliviada. “Eh, ôô, vida de gado. Povo marcado, ê Povo feliz”, são as palavras de uma canção do ZÉ RAMALHO(Admirável Gado Novo). E a maioria de nós apreciamos e concordamos com esse sentimento. Afinal, não é bom ser pessimista, ser um cético em meio a uma nação de rostos felizes. Infelizmente, as massas que acreditam nessas bobagens são enganadas e estão destinadas a receber, brevemente, um choque de um despertar da MATRIX.