sábado, 13 de junho de 2015


A Usurpadora e seus barracos da vida real

Capítulo 1: Como tudo começou...

mao-bercoMaria Celeste morava em Buenos Aires, de onde liderava o fã clube argentino da Gaby Spanic. Por ser muito fã dela, acabou se transformando numa espécie de amiga virtual da atriz. Quando Celeste foi ao México tentar a sorte como atriz, Gaby lhe propôs que ela trabalhasse como assistente de sua irmã gêmea na vida real, Daniela Spanic, até que surgisse uma oportunidade na televisão. A argentina aceitou e foi viver na casa da gêmea menos famosa da usurpadora.
Ocorre que Daniela sofreu um derrame cerebral. Seu então marido, Ademar Nahum, pediu dinheiro emprestado à cunhada, mas não pagou, o que foi o estopim para uma briga de grandes proporções, a ponto de Gaby chamar a polícia o acusando de cárcere privado, pois Ademar não deixava a esposa receber visitas. Daniela ficou do lado do marido e, assim, as relações entre las hermanas foram cortadas. Com a inimizade formada, Ademar despediu Maria Celeste para contratar uma enfermeira e também alegou desconfiar que a assistente passava informações do que acontecia na sua casa para Gaby. Desempregada e ainda sem conseguir se colocar no mercado artísticomexicano, Celeste foi convidada pela intérprete da Paola Bracho a morar com ela e ser suaassistente pessoal.

Capítulo 2: O envenenamento

Três meses depois à chegada de Celeste como empregada, emaio de 2010, Gaby passou mal durante as gravações da novela Soy Tu Dueña. A imprensa havia divulgado que a causa fora por ela ter comido mariscos estragados. Só que o mal estar continuou frequente tanto para a usurpadora quanto para o seu filho pequeno e aos demais da casa, com exceção de Maria Celeste, o que a fez ficar desconfiada, já que a assistente nunca comia com eles.

Capítulo 3: Na Prisão

maria-celeste-presaEm julho, Maria Celeste foi visitar os pais em Buenos Aires. Quando voltou no mês seguinte, assim que chegou à casa de Gaby, foi recebida por dois policiais que a prenderam sob a acusação de terem encontrado veneno em seu quarto e também dois frascos de sulfato de amônio com ela no momento de sua chegada. Confirmada as suspeitas, 10 dias depois, Gaby e os demais envenenados deram entrada no hospital para um processo de desintoxicaçãoPor volta de dois meses após ser presa, as protagonistas dessa história voltaram a ficar frente a frente. Gaby a enfrentou lhe chamando de descarada e mentirosa e perguntando quem também estava envolvido no plano de envenená-la: "Não caia sozinha nisso. Alguém te ajudou. Foi o meu cunhado, Nahum?". A condenada, por sua vez, rebatia dizendo à atriz que ela bebia muito. "E o que isso tem a ver? Eu não bebia todos os dias. Mas nos fins de semana, sim. E era você quem me servia", acusou mais uma vez; até perder a paciência e encerrar a conversa da seguinte maneira: "Quer dizer que agora você é heterossexual? Até lésbica você é!", finalizou Gaby.

Capítulo 4: Cheiro de couro

Essa frase, aparentemente solta, que a usurpadora fez em relação à sexualidade da ex-assistente tem haver com a declaração dada por um amigo da atriz ainda nos primeiros dias de prisão da acusada: "Maria Celeste vivia obcecada por Gaby e até se declarou, mas ela lhe disse que não era lésbica e que só podiam ser amigas. Ela se aproximou da vida da Gaby com tudo já premeditado pra roubar o lugar dela e ser uma nova Gaby. É uma psicopata!". 

Enquanto o dia da sentença não chegava, a impressa, que adora saber da vida sexual dos outros, deu imenso destaque ao assunto e até perguntou a Osário Fernandez, pai de Celeste, se era verdade que sua filha era lésbica. Ele respondeu: "Não, de jeito nenhum. Minha filha, que não fique nenhuma dúvida, não tem esse tipo de problema". Muita gente, na época, não se convenceram muito com essa declaração e acharam que o jeito dele de falar soou muito falso. Quase um ano depois disso, é Maria Celeste quem acusa Gaby Spanic de ser lésbica e ainda diz que foi vítima de um plano macabro da usurpadora por não aceitar ir para a cama com ela. Uma vez, segundo Maria, a intérprete da Paola Bracho lhe trancou em seu quarto e forçou-a a fazer sexo com ela com uma faca, mas ela conseguiu enganar Gaby, pegou a faca e fugiu do quarto. Tenho certeza que a Raposa Loira e Felpuda da Nazaré Tedesco saberia na hora sobre quem é a lésbica da parada!

Capítulo 5: Relacionamentos amorosos turbulentos


Aos 15 anos de idade, Gabry teve seu primeiro namorado. O namoro, porém, foi interrompido bruscamente dois anos depois com a morte prematura do rapaz em um acidente. Com a morte do amado, Gaby entrou em depressão e se isolou por 1 ano. Após este período, conheceu o ator Jonny, com quem começou a namorar e após 5 anos juntos se separaram. Aos 24 anos, conheceu o Miguel de León. Eles se conheceram trabalhando em novelas e com apenas 1 ano de namoro, em 1997, foram morar juntos. Em 2002 os desentendimentos entre o casal aumentaram e veio a separação.
No mesmo ano de sua separação, Gaby se envolveu com seu colega de trabalho, José Ángel Llamas. Eles namoraram por quase 2 anos, mas com os ciúmes excessivos do namorado o relacionamento chegou ao fim. Gabriela chegou a acusá-lo de ameaçá-la e de agredi-la física e verbalmente. Meses depois da separação, conheceu John Cusack, um ator americano. Eles namoraram por alguns meses e logo terminaram. Em 2007, conheceu o empresário venezuelano Neil Perez. O casal começou a namorar e, poucos meses depois, foram morar juntos. O casal sempre brigou muito em razão do ciúmes excessivos de Neil, que chegava a humilhar e agredir fisicamente a atriz, a proibindo de sair com seus amigos e exercer sua profissão. 

Capítulo 6: Uma gravidez cheia de transtornos


Após um ano de convivência com Neil, Gaby descobriu estar grávida. Ele não aceitou a gestação e obrigou Gabriela a abortar, mas ela se recusou. Com 5 meses de gravidez, as brigas violentas aumentaram entre o casal e Neil passou a acusá-la de infiel, chegando a negar a paternidade do bebê. Gabriela saiu de casa grávida, desesperada e, com depressão, voltou para a casa da mãe. O ex-marido passou a perseguí-la e ameaçá-la de morte caso não voltasse para ele, mas Gaby não retomou a convivência conjugal. Em 7 de julho de 2008, na cidade de Miami, nasceu Gabriel de Jesus Spanic, filho da eterna usurpadora. O bebê nasceu com um sopro cardíaco, porém os médicos relataram ser o problema autocurável e de pouca gravidade.
Após o nascimento do filho, o ex-marido passou a procurá-la para ver o filho, mas Gaby não deixou, já que ele não quis assumir o bebê, não tinha direito de conhecê-lo. Com raiva, Neil exigiu um exame de DNA para Gaby. Indignada com o pedido, ela negou-se a realizar o exame e chegou a afirmar que se Neil realmente quisesse ter algum contato com o filho e reconhecê-lo, teria de procurar seus direitos na justiça. O pai da criança jamais procurou a justiça e nem sequer chegou a conhecê-lo. Atualmente, Gabriela cria o filho com ajuda da mãe. A atriz revelou sua intenção de contar toda a história a seu filho quando este tiver idade suficiente para entender o que aconteceu. 

Capítulo 7: A grande reviravolta

Mais importante do que a reviravolta de quem era a lésbica da história, ainda em 2011 explodiu a bomba que faria o caso se tornar ainda mais folhetinesco: boatos davam conta de que os exames mostrados por Gaby eram falsos, tirados num laboratório de fachada, sem reconhecimento dos institutos de saúde e expedidos pela internet. Os rumores ganharam força; até que peritos são chamados para fazer os testes e o resultado surpreende: não são encontrados vestígios de envenenamento, o que coloca Maria Celeste em vantagem no processo. É nesse momento que Osório Fernandez, o pai da acusada, aparece na mídia falando de que tudo foi uma armadilha, de que os fracos de amônio encontrados foram plantados para incriminá-la, que Gaby fez tudo isso para se promover (já que, segundo ele, a atriz só fica em evidencia quando o SBT decide reexibir A Usurpadora aqui no Brasil, porque lá no México ela tá em baixa e a Televisa não quer ela nem pintada de ouro) e ainda de quebra desmente a homossexualidade da filha, como vocês podem ver nesse vídeo clicando bem aquiA partir desses novos resultados, a credibilidade de Spanic é posta em cheque e é quando entra mais uma personagem decisiva para essa história: Carmen Salinas, a Agripina de Maria do Bairro.


Capítulo 8: Mais uma no time contra Gaby

A veterana atriz Carmen Salinas, questionada sobre o envenenamento criminal que Gabriela Spanic sofreu de sua assistente, surpreendeu a todos ao dizer que a protagonista de A Usurpadora mentia sobre o ocorrido e que ela era bipolar. O nível de ofensa foi crescendo a cada entrevista. Numa delas, Salinas afirmou que Gaby era alcoólatra e que tinha graves problemas mentais. O mais curioso é que as atrizes nunca trabalharam juntas e só se viram uma vez num encontro casual num aeroporto. Ainda assim, Carmen contratou 15 advogados para defender a assistente acusada de envenenamento, a qual Carmen defende veemente e diz que Gaby é que a grande vilã dessa história. Até hoje ninguém sabe qual o verdadeiro interesse de Carmen por trás dessa "ajuda".

As teorias para o engajamento de Salinas contra Spanic são muitas. A primeira é que ela busca ficar em evidência na mídia e está usando o popular nome de Gaby para isto. Outra teoria defende que Carmen é muito amiga do cunhado da usurpadora e que este lhe pediu o favor de manchar a reputação da cunhada, pois os dois são inimigos - inclusive, é por causa desta briga entre eles que Gabriela deixou de falar com sua irmã. No entanto, há quem afirme que Carmen está tentando sujar a imagen de Gaby para agradar seus patrões da Televisa, emissora que Spanic abandonou para trabalhar na concorrente, TV Azteca. Desta forma, a Televisa se vinga de sua ex-empregada através das opiniões agressivas de Salinas e em troca, garante bons trabalhos à sua porta-voz.


Capítulo 9: A ex-assistente de Gaby é libertada

Em dezembro de 2012, Maria Celeste saiu da cadeia depois que os advogados contratados por Carmen Salinas forçaram a alteração da sentença, alegando, desta vez, que as provas que Gaby havia apresentado não eram suficientes, mesmo com os exames que comprovam o envenenamento - Spanic e o filho ainda sofrem sequelas do episódio e tiveram os rins comprometidos. A Justiça alega agora que, embora a atriz tenha, de fato, tomado altas doses de cloreto de amônio, elas podem não ter sido administradas por Maria Celeste. A eterna usurpadora, é claro, se revoltou e tenta, até hoje, recorrer contra a sentença.




Capítulo 10: Continua...

Após ser libertada, Maria Celeste tentou realizar seu grande sonho de ser atriz. Em janeiro de 2013, ela quase entrou para o elenco da novela Porque El Amor Manda, da Televisa, que seria protagonizada por ninguém menos que Fernando Colunga, o Carlos Daniel de A Usurpadora. Isso tudo com o empurrãozinho de Carmem Salinas! Entretanto, os produtores da trama a mandaram estudar teatro antes de querer estrear na televisão. E o elenco também teria protestado contra sua contratação, temendo que alguém morresse envenenado nos bastidores. 

Enquanto se prepara para estrear uma nova peça, Maria Celeste anunciou para imprensa que, em breve, fará uma coletiva com seus advogados para falar sobre o lançamento de um livro cujo título provisório é: "A Verdadeira Paola Bracho". E é justamente neste livro que ela pretende revelar tudo que sabe sobre Gaby Spanic. “Relatarei toda a história, desde o princípio, de minha relação com ela, para que entendam tudo, afinal, tudo tem um por quê”, contou a ex-assistenteEntre as revelações de Maria Celeste está a suposta homossexualidade de Gaby, que guardaria isto a sete chaves. “Ainda não posso falar nada disso, mas no tempo certo, quando o advogadGabriel Regino me der a luz verde, vou contar tudo. Tenho provas, e-mails e até fotos”, disse.

A batalha nos tribunais rola até hoje. Resta saber quem é que está mentindo, porque em A Favorita a Flora (Patrícia Pilar) parecia ser a grande mocinha da história e no final enganou todo mundo!