quarta-feira, 3 de junho de 2015


Alcorão: 10 fatos interessantes
Ou estranhos sobre o livro
Alcorão ou Corão é o livro sagrado do Islã. Essa palavra deriva do verbo árabe que significa declamar ou recitar; Alcorão é portanto uma “recitação” ou algo que deve ser recitado.
Apesar de ter se mostrado muito polêmico no mundo islâmico, Saddam Hussein encomendou uma cópia do Alcorão escrita em seu próprio sangue. Mas há outros fatos muito mais fascinantes (e menos assustadores) centrados em torno deste livro.
Os muçulmanos constituem mais de 1,5 bilhão da população do planeta, por isso é possível dizer que há uma grande quantidade de conhecimento baseada no Alcorão no mundo. Confira:

10. O alcorão é o maior do mundo

10
Em 2008, Sayeed Najmul Hasan Chishti da Índia tomou para si o recorde mundial da criação do maior Alcorão escrito a mão. Pouco tempo depois, em 2009, o recorde foi desejado por uma adolescente escrevendo 12 horas por dia para produzir um Alcorão com 3.000 metros de comprimento. Se ela terminou, ninguém percebeu, porque o recorde mundial lhe foi tirado em 2011 por um Alcorão na Rússia. Pesando 800 kg, o livro maciço era incrustado em ouro, prata e um punhado de pedras preciosas. Depois de tanto esforço, seus criadores provavelmente ficaram chateados quando o novo maior Alcorão do mundo foi revelado no Afeganistão dois meses mais tarde. Claramente, a busca para ter o maior do mundo é árdua, e antes que mais alguém se esforce tanto, alguém deveria avisá-los sobre o Alcorão de 18 metros de altura que é parte de um edifício no sul de Sumatra. Há um monte de grandes Alcorões, em resumo.

9. Erros causam crises políticas

9
A crença dos muçulmanos dita que o Alcorão é a palavra exata de Deus (Alá), de forma que nem mesmo um parágrafo pode ser deixado de fora em qualquer cópia do livro. Também é geralmente melhor não alterar palavras. Pior ainda é imprimir 120 mil cópias de seu trabalho ruim e distribuí-las internacionalmente, como aconteceu com cópias do Alcorão distribuídas pelo governo federal do Kuwait em 1999. O Ministro da Justiça e Assuntos Islâmicos foi a pessoa infeliz na linha de fogo quando isso ocorreu. Ele foi acusado de “tentar desfigurar a fé dos muçulmanos”, e o resultado foi que todo o parlamento kuaitiano foi dissolvido. Os membros da oposição do governo afirmaram que os erros de impressão foram criados intencionalmente para fornecer uma desculpa para o parlamento ser dissolvido e uma nova eleição realizada.

8. Memorização

8
17 milhões de pessoas em todo o mundo assistiram esse ano o Prêmio Nacional Alcorão de Dubai, um concurso em que crianças recitam o livro de cabeça em busca de 250.000 dirham dos Emirados Árabes Unidos (cerca de R$ 153 mil). Bem como o prêmio máximo, há também um prêmio para a mais bela voz. Como muitas competições entre crianças, há um indício de que são mais apreciadas pelos pais. A bela voz deste ano disse: “Meu pai, que tem trabalhado arduamente me treinando, está muito feliz e eu estou orgulhoso de que não o desapontei”. Orgulho parental de lado, memorizar a escritura é uma coisa importante na cultura islã. O termo “Hafiz” é usado para descrever aqueles que aprenderam o Alcorão na íntegra, e Hafiz são bem vistos entre os seus irmãos muçulmanos.

7. Banimento

7
O banimento de livros (de qualquer tipo) tem desfrutado de uma história longa e bem sucedida de ser uma ideia muito ruim. Todos os livros sagrados, incluindo o Alcorão, foram proibidos na União Soviética entre 1926 e 1957. Nos últimos anos, o famoso político holandês Geert Wilders liderou uma tentativa de ter o Alcorão banido na Holanda. O movimento não chegou perto de dar certo. Imran Firasat, um ex-muçulmano, apresentou uma petição na Espanha para banir o Alcorão, com sucesso similar. Uma das interpretações inglesas mais populares do Alcorão é “O significado do Alcorão Sagrado”. Pouco depois do atentado de 11/9 nos EUA, o Conselho de Relações Americano-islâmicas começou a doar exemplares desta versão do livro para as escolas. Referências dos judeus como macacos e porcos levou o distrito escolar de Los Angeles a proibir sua edição por um tempo em 2002.
A proibição de livros é uma posição extremista que muitas pessoas não estão propensas a tomar. Até mesmo os ateus são tão prováveis quanto qualquer um a incentivar a leitura dos livros sagrados: ambos não crentes e religiosos possuem o mesmo pensamento de que ler as escrituras sagradas vai levar as pessoas a concordar com a sua posição.

6. Bebê milagroso

6
Em 2009, os muçulmanos na República do Daguestão (divisão federal da Rússia) se reuniram para ver um menino de nove meses de idade no qual versos do Alcorão estavam aparecendo espontaneamente na pele. Milhares visitaram a casa do pequeno Ali Yakubov para testemunhar o milagre. Céticos fizeram questão de salientar o fato de que isso poderia na verdade ser abuso infantil, mas com implicações mais amplas. O pai de Ali é um policial em uma região fortemente impactada pelo extremismo islâmico. Os serviços policiais e de segurança são um alvo popular para grupos terroristas na região, e o prefeito local foi rápido em sugerir que a escrita era um sinal de Deus que a religião não deveria ser levada muito longe. Como sua mãe disse, “Alá é grande e mandou-me o meu filho milagre para manter o nosso povo seguro”. Quatro anos depois, a insurgência islâmica no Daguestão continua.

5. Islã na “política cristã”

5
Em países majoritariamente cristãos, pode ser difícil ser político se você não for também cristão. Provavelmente serão necessários muitos anos para um presidente dos EUA, por exemplo, oferecer suas orações matinais para qualquer um que não seja Jesus. Ainda assim, outras religiões e crenças estão fazendo incursões na polícia ocidental.
Em novembro de 2006, o democrata Keith Ellison se tornou o primeiro muçulmano a entrar em um congresso americano, um evento que normalmente envolve um cerimonial de juramento sobre a Bíblia. Leitores mais atentos perceberam o inevitável conflito na última frase. Enquanto o evento de juramento é basicamente “decorativo” e não parte da cerimônia oficial, a escolha de Ellison em usar um Alcorão atraiu (obviamente) críticas dos tradicionalistas. Na Austrália, o político Ed Husic enfrentou abuso online depois que jurou em um Alcorão pela primeira vez na história do país. Ele também recebeu grande apoio, e manteve-se pragmático sobre os acontecimentos, dizendo: “A coisa importante é que o grosso da população na Austrália quer que todos trabalhem em conjunto”.
Segundo dados do censo demográfico de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o Islã no Brasil conta com 35.167 seguidores – número que pode ser muito maior na prática (a Federação Islâmica Brasileira defende que há cerca de 1,5 milhão de fiéis do Islã no país). Não há dados sobre quantos desses estão na política, mas certamente seus votantes têm um impacto sobre nossos governantes.

4. Regras para lidar com o livro

4
Os muçulmanos veneram o Alcorão acima de todos os outros livros e, em geral, da maioria das outras coisas. Muitas pessoas sabem que o Alcorão deve ser mantido na prateleira mais alta da casa para representar o seu lugar acima dos outros livros, mas isso não é tudo o que você precisa saber para lidar com um Alcorão corretamente. Você não deve deixá-lo aberto quando terminar de lê-lo, nunca deve molhar os dedos com saliva para virar suas páginas, e não deve deixá-lo em seu colo. Muitas regras para lidar com o Alcorão são derivadas de ideias islâmicas de pureza. Wudu é um processo de limpeza em preparação para a oração e deve ser legitimamente realizado antes de alguém tocar ou carregar o Alcorão (ou tocar ou realizar qualquer coisa que contenha o Alcorão). Além disso, muitos muçulmanos acreditam que mulheres devem abandonar a leitura do Alcorão durante o ciclo menstrual, porque esse não é um período “limpo”. Há dezenas de outros requisitos, e se lembrar todos eles te deixa cansado, tome cuidado: bocejar ao recitar a escritura também é mal visto.

3. Valor

3
O Alcorão mais caro foi vendido por mais de US$ 2,3 milhões (cerca de R$ 5 milhões) em 2007. Enquanto isso não o torna o livro sagrado mais valioso do mundo (um volume de duas partes da Bíblia de Gutenberg vendeu por US$ 5,5 milhões, ou cerca de R$ 12 milhões em 2008), ainda é uma quantidade substancial de dinheiro. O Alcorão em questão é datado de junho de 1203 (17-Ramadã-599 no calendário islâmico) e é a mais antiga cópia completa e datada conhecida. Muito dinheiro, independente do produto, sempre atrai crime. Três homens foram presos em maio de 2000 por tentar contrabandear uma cópia roubada do livro para fora da Turquia. O Alcorão do século 11, roubado do Palácio de Topkapi, em Istambul, teria valido cerca de US$ 50.000 (R$ 110 mil) no mercado negro do Reino Unido.

2. Queimar no fogo do inferno

2
O infame pastor Terry Jones se tornou conhecido em todo o mundo em 2010 por seus planos em criar “O Dia Internacional de Queimar um Alcorão”. Ele ainda está tentando ser bem sucedido, mas seus planos de queimar 2.998 Alcorões em 11 de setembro deste ano foram interrompidos quando ele foi preso por transporte ilegal enquanto levava querosene para o local de queima, juntamente com um reboque cheio de Alcorões. É compreensível que as autoridades americanas estivessem nervosas sobre Alcorões sendo queimados, já que em 2012 soldados americanos no Afeganistão jogaram, supostamente por engano, vários Alcorões destinados para armazenamento em um incêndio de resíduos. Isso provocou tumultos que deixaram dezenas de mortos.
Em Bangladesh, 160 pessoas foram presas no ano passado após tumultos que destruíram templos budistas seculares e várias casas. Os tumultos foram causados não por uma queima do Alcorão, mas por um homem budista local ter sido marcado em uma foto de uma queima do Alcorão no Facebook. Depois de ser submetido a pior marcação de Facebook da história, o homem no centro de tudo isso foi escoltado pela polícia e saiu ileso da multidão, estimada de consistir em 25 mil muçulmanos. Casas, lojas e artefatos budistas foram alvejados. Um jornalista local descreveu as aldeias pós-motim como “se tivessem sido atingidas por um grande ciclone”.

1. Caso Rimsha Masih

1
O Paquistão é um dos vários países muçulmanos com leis contra a danificação de um Alcorão. Sendo uma nação com maioria muçulmana (97%), as minorias religiosas são muitas vezes prejudicadas por essas leis. Um dos exemplos mais tristes é a história de Rimsha Masih, de 14 anos de idade, uma menina com deficiência de uma família cristã. Em agosto de 2012, Rimsha foi acusada de danificar um Alcorão depois de ter sido encontrada na posse de páginas chamuscadas. Sob a pressão de uma multidão ameaçadora, a polícia prendeu a menina, enquanto 600 famílias cristãs de sua aldeia foram forçadas a fugir de suas casas. Um clérigo muçulmano local, Khalid Jadoon, foi mais tarde acusado de plantar provas. Ele tinha clamado que os cristãos fossem queimados vivos, acrescentando implicações terríveis para o seu alegado crime. Ele foi levado a julgamento no Supremo Tribunal em Islamabad, mas o caso foi arquivado na sequência de mudanças de declarações de testemunhas. Jadoon acusou a polícia de coagir as pessoas para obter as declarações originais. Aqueles do outro lado da moeda acusavam extremistas islâmicos de ameaçar as testemunhas para que retraíssem suas histórias. Seja quem for que estivesse correto, esse continua a ser um exemplo de caso trágico mal lidado pelas autoridades.